quinta-feira, 12 de novembro de 2015

HIPNOSE DE ESTRADA: A MENTE EVADE-SE





É um fenómeno de transe hipnótico natural que afeta a habilidade do motorista e pode originar acidentes.


A "Hipnose de Estrada" é um estado de consciência durante o qual o condutor percorre longas distâncias, trava, acelera, ultrapassa, muda de direção e até contorna obstáculos, porém inconsciente de estar a fazê-lo. É a ausência de memória de um viajante na A1, a caminho do Porto, que avista estupefacto a placa da próxima estação de serviço, Pombal, sem lembrar-se de ter passado pela estação de serviço de Leiria onde queria tomar um café. Já teve uma experiência semelhante?

O automobilista vive um estado alterado de consciência, um estado intermédio entre o sono e a vigília, e pode ficar dissociado do espaço, do tempo, da condução que entra em “piloto automático”, navegando no seu mundo interior, num sonhar acordado.


“Repentinamente percebi que já não estava a pilotar o carro conscientemente. Estava a pilotar por instinto, como se estivesse numa dimensão diferente. Foi como se estivesse num túnel conduzindo, cada vez mais rápido indo bem acima do limite, mas ainda capaz de atingir muito mais, foi então que acordei”. Ayrton Senna, GP de Mónaco de 1988



O fenómeno “Hipnose de Estrada”, o conduzir como em transe com o olhar fixo num ponto perdido no horizonte, foi descrito pela primeira vez num artigo, em 1921. Em 1929 o estudo de Miles “Dormir de Olhos Abertos” reforçou os alertas em torno desse assunto, sugerindo a possibilidade de um motorista adormecer de olhos abertos. Mais tarde G. W. Williams reforça o modelo explicativo do fenómeno com base no trabalho desenvolvido por Ernest Hilgard (1986, 1992).