sexta-feira, 17 de julho de 2015

SÍNDROME MENTE-CORPO

A síndrome mente-corpo, ou desordem psicossomática, é uma condição (não é doença) muito comum, na qual as pessoas criam sintomas físicos para não enfrentar conflitos emocionais. É um processo totalmente inconsciente. O tratamento de um sintoma pode aliviá-lo, mas de seguida a pessoa desenvolve outro sintoma físico, e assim por diante.

Edição espanhola (ainda não existe edição em português)
“The Divided Mind: the Epidemic of Mindbody Disorders”
(A Mente Dividida: a Epidemia de Distúrbios Mente-Corpo), 2007


Sinopse:

Una epidemia de trastornos psicosomaticos asola el mundo occidental. Estos trastornos no son "psicosomaticos" en el sentido de "imaginarios" o "inventados", son psicosomaticos en el sentido de que su origen hay que buscarlo en la mente.

La medicina tradicional no tiene ninguna solucion que ofrecer en estos casos y se limita a paliar (encobrir, atenuar) los sintomas.




John E. Sarno (nascido em 1923) é Professor de Medicina de Reabilitação, Escola New York University of Medicine e médico assistente no Howard A. Rusk Instituto de Medicina de Reabilitação, Centro Médico da Universidade de Nova York.

Segue a entrevista (filme em 3 partes) de Jorge Pontual, correspondente da Globo News nos EUA, ao Dr. John Sarno, que na altura, julho 2009, contava 85 anos.










John Sarno atende pessoas com dores corporais que reincidem mesmo através do uso de medicamentos e de intervenções cirúrgicas:



  • Dores de cabeça;
  • Problemas respiratórios;
  • Problemas gastrointestinais;
  • Problemas urinários;
  • Problemas de pele;
  • Alergias;


Segundo o Dr. Sarno desenvolvemos um tipo de dor crónica, sem nos darmos conta, em resposta a uma situação de frustração ou insatisfação. Dentre os mais fortes e destrutivos fenómenos que causam essa sintomatologia, Sarno ressalta a raiva inconsciente. A raiva constitui uma reação emocional forte e potencialmente perigosa aos olhos dos "tomadores de decisões do cérebro". Isto significa dizer que, estando sob o controle da raiva, o ser humano pode cometer atos de destruição contra os outros, e até contra si próprio, o que coloca o cérebro em estado de alerta. Assim sendo, o cérebro produz uma sintomatologia a fim de nos manter focados no corpo ao invés de revelar tais emoções perigosas. De alguma forma, nosso corpo "absorve" tais emoções, transformando a sua energia em dores fisiológicas.


É um processos que se inicia na infância e cresce alimentado pela enorme quantidade de limitações que continuamente enfrentamos ao longo da vida. Grande parte desta raiva nasce das pressões autoimpostas, em especial, a necessidade de aceitação e perfeição.



Jorge Pontual: "O que está acontecendo com a profissão de médicos?"

Dr. John Sarno: "Essa é uma boa pergunta. Eles têm a mentalidade de mecânicos de automóvel. Pois eles eram bem melhor há 80 anos, 90 anos. Os médicos ficaram muito apaixonados pelos laboratórios, pelas radiografias, pelas ressonâncias magnéticas e por ai vai. E isso, realmente, se manteve como parte da cultura, mas é uma postura muito ingénua no que diz respeito aos distúrbios mente-corporais. É lamentável, porque, virtualmente, todas as doenças físicas, tem um elemento psicológico."



  
Antes que possa transbordar, liberte o seu reservatório inconsciente de raiva, mágoas, medo, insegurança, vergonha, dos nutrientes de uma dor emocional que a mente consciente evita enfrentar a qualquer preço, ao ponto de fabricar “doenças”.


EUREKA – LEAVE THE BOX!